Cidade americana envolta em polémica ao permitir o regresso das palmatórias na escola

538

Nos EUA, o estado do Texas decidiu trazer de volta a punição física, uma prática antiga e polémica de educação infantil.

Embora não haja qualquer prova que o castigo corporal ajuda os alunos a ter um melhor desempenho – até pelo contrário – o conselho de curadores da Three Rivers Independent School, no sul do Texas, considera imperativo, pelo que já deu indicações aos professores para começarem a usar as palmatórias de madeira nas aulas.

A esperança é que isso melhore o comportamento e desempenho dos alunos, mas para que um professor possa castigar o aluno, é preciso que os pais deem consentimento escrito e verbal.

Caso um aluno desobedeça às regras ou a um professor, será castigado com a palmatória – é o que defende, com entusiasmo, Andrew Amaro, o coordenador de comportamento do campus da Three Rivers Elementary School. Para ele, é muito mais benéfico e eficaz punir fisicamente os estudantes do que suspendê-los.

Segundo as estatísticas, infelizmente a maior parte dos estudantes negros está mais suscetível ao castigo, e a probabilidade de uma criança negra ser castigada é superior relativamente a uma criança branca. O Secretário da Educação John B. King Jr. escreveu uma carta a solicitar aos Estados (22 adotaram a medida) que banissem o castigo corporal.

De acordo com John B. King Jr., aproximadamente 40.000 estudantes que sofreram a punição são negros.

Qual a sua opinião? Considera esta medida justa?

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Aceitar Ler Mais