Este português tira fotografias virais que mostram o mundo de maneira diferente

688

Hugo Suíssas, jovem lisboeta de 31 anos, vive atualmente na Alemanha, trabalhando como diretor de arte numa agência de comunicação.

Há cerca de 8 anos, começou a tirar fotografias por diversão, mas aquilo que era apenas um hobby acabou por evoluir e cruzar-se com a sua carreira profissional.

Hoje, dá palestras, faz parcerias e aparece em notícias e artigos de jornais por todo o mundo, devido ao seu trabalho como fotógrafo.

“Ele transforma pontes e paisagens simples em lugares surreais e fantásticos, e objetos como chaves, fruta e brinquedos infantis em adereços mágicos. Cada fotografia tem uma história e uma ideia diferentes. Elas ajudam-nos a ver o mundo monótono e entediante ao qual estamos habituados de uma forma nova e mais divertida”, escreveu o famoso site internacional Bored Panda.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Hugo Suíssas (@suissas)

Hugo tem o talento de nos mostrar o mundano sob novos ângulos, que nos podem fazer rir e refletir.

“A ideia de abrir um perfil no Instagram surgiu em 2013, porque na altura um amigo já fotografava e a comunidade desta rede de imagens em Portugal estava a começar e a crescer. Isso suscitou uma curiosidade e vontade de entrar nesse maravilhoso mundo da fotografia em mim”, conta Hugo.

“O que me inspira é saber que ainda há muita coisa para criar e ser feita. É isso que me move. Quero fazer chegar as minhas ideias ao mundo inteiro”, acrescentou o português.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Hugo Suíssas (@suissas)

Embora faça sucesso, garante que não usa técnicas complexas para tirar fotografias. “Todas as que tiro são com o telemóvel, e por vezes utilizo softwares de edição de imagem. Para mim não existem estilos, mas sim intenções”, explicou.

Em relação aos sítios para fotografar, Hugo também é espontâneo. “O que vem em primeiro lugar é a ideia e depois logo decido onde vai ser. Se a ideia for boa até numa parede feia vai funcionar. A ideia vence tudo”, disse.

Quanto às reações do público ao seu trabalho, o português diz que “é sempre gratificante receber esse apoio das pessoas, mas ao mesmo tempo é algo em que não gosto de me focar muito, porque prefiro gastar o meu tempo a criar fotografias e projetos relevantes do que avaliar o feedback em geral”.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Hugo Suíssas (@suissas)

“Eu acho que esta história dos likes, seguidores e views só estraga o foco dos artistas no processo de criação. Vejo artistas que se preocupam mais com os likes que têm nas fotos que publicaram do que com o conteúdo que estão a criar”, adicionou.

No ano passado, marcado pelo COVID-19, Hugo continuou ativo na área da fotografia. “O confinamento até me tem feito bom e trazido coisas positivas. Tornou-me mais produtivo e deu-me mais tempo para pensar sem pressão e prazos”, salientou.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Hugo Suíssas (@suissas)

Então, criou o projeto “Vaccine Towers”, reconhecido já em vários países, que se trata de uma campanha mundial de consciencialização sobre a vacinação contra o COVID-19.

“Espero que possamos livrar-nos deste vírus o mais rapidamente possível. Estamos a atingir o pico da campanha de vacinação. De Nova Iorque a Berlim, este projeto lembra as pessoas que só podemos erguer-nos novamente se todos formos vacinados. Para já, estou a gerir este projeto e a dedicar-me ao mesmo a 100% com o objetivo de impactar e fazer chegar a mensagem ideal e visual ao máximo de pessoas possível”, explicou.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Hugo Suíssas (@suissas)

“O que me fez chegar à ideia da “Vaccine Towers” foi a necessidade de ajuda urgente da população mundial neste preciso momento devido à pandemia. Esta urgência fez-me levantar do sofá e agarrar-me a uma folha branca e um lápis. Eu sou capaz de ser a pessoa mais distraída do mundo, mas ao mesmo tempo muito atento aos pormenores, e é por isso que descobri que o topo dos prédios parece agulhas de seringas. Através dessa observação somei 1+1 e criei a campanha”, revela Hugo.

Quando questionado sobre a sua fotografia preferida, de entre as milhares do seu repertório, o português responde que ainda está para a tirar, pois será “a do sorriso na cara das pessoas quando todos pudermos voltar à rua, abraçar, beijar, conversar e vaguear”.

“Acho que vai ser a minha imagem favorita de todos os tempos”, concluiu Hugo.

Conheça mais sobre o seu trabalho através da sua página de Instagram @suissas.

PARTILHE!

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Aceitar Ler Mais