“Grande Muralha Verde” está a ser construída na África para ajudar o planeta a sobreviver a uma tragédia

4.030

No século passado, o engenheiro florestal me ativista inglês Richard St. Barbe Baker propôs a criação de uma barreira verde gigante, feita de árvores.

Porém, só no ano de 2007 é que o projeto descolou, e hoje podemos ver os primeiros resultados do mesmo.

Após a ideia começar a ser praticada, 40 milhões de hectares de terra deserta recuperaram, o que possibilitou a produção de 500 mil toneladas de grãos por ano (onde antes existia apenas areia).

Estes recursos chegam para alimentar 2,5 milhões de pessoas, e se o projeto continuar a este ritmo, poderá ajudar algumas das regiões africanas mais pobres ao devolver a vida aos seus terrenos desertos.

A Grande Muralha Verde deve expandir-se a 780 milhões de hectares, numa área habitada por 232 milhões de pessoas (mais que toda a população do Brasil).

A construção da Grande Muralha Verde não vai apenas dar vida a muitos terrenos desertos da África – também vai ajudar economicamente mais de 20 países no caminho.

Milhares de pessoas estão a participar nesta iniciativa para garantir o seu sucesso, particularmente através do plantio de árvores. Sendo um projeto de longo prazo, é provável que demore mais de uma década até ser concluído, mas não há dúvidas sobre os resultados futuros: segurança alimentar e oportunidades de emprego para todos os envolvidos, o que reduzirá a migração, tão comum nos países africanos mais pobres.

Depois da sua conclusão, a Grande Muralha Verde vai implicar, em suma, as seguintes alterações positivas no território africano:

  • Mitigação e reversão dos problemas de desertificação, degradação da terra e secas;
  • Reabilitação de milhões de hectares de áreas degradadas em regiões secas, cujas terras se tornarão aptas para a agricultura;
  • Criação de ecossistemas mais sustentáveis ​​nas regiões do Saara e Sahel por meio da melhoria da oferta de recursos naturais, com reflexo no solo, vegetação e fauna;
  • Sequestro de 250 milhõesde toneladas de carbono (combate às mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global);
  • Melhoria drástica nas condições de vida das populações locais, com a criação de 10 milhões de empregos em regiões pobres;
  • Segurança alimentar para 20 milhões de pessoas que sofrem de fome todos os anos.

O objetivo é que a Grande Muralha Verde seja concluída até ao ano de 2030, e que tenha então recuperado 99 milhões de hectares de terra, que hoje em dia se encontra deserta.

Para isso, terão de ser restaurados por ano 10 milhões de hectares. Então, a Grande Muralha Verde será a maior estrutura de vida da Terra, um garante de um mundo e futuro melhores para as próximas gerações.

Três vezes maior que a Grande Barreira de Coral, a Grande Muralha Verde está destinada a ser a oitava maravilha do mundo.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Aceitar Ler Mais