Foram proibidos pelos pais de namorar: depois de 50 anos eles se encontram graças à filha biológica e acabam por casar

2.907
Esta é a história de um casal que foi separado pelos pais quando eram jovens e acabou por casar ao fim de 50 anos, após a filha que deram para a adoção os reunir.
Donna Horn, de 70 anos, e Joe Cougill, de 69, residentes em Indianápolis, Indiana, deram o nó em maio de 2020, depois dos resultados de um famoso kit de testes genéticos e DNA levarem a filha biológica Laura Mabry, de 52 anos, a rastreá-los em 2019.
“Fomos os primeiros amores um do outro. Ela era tudo que eu queria e eu era tudo que ela queria”, conta Joe.
Donna era líder de torcida do segundo ano e Joe era um atleta estrela do primeiro ano, quando ambos se conheceram na Franklin Central High School.
O romance adolescente passou de se verem um ao outro na escola e breves conversas ao telefone a saídas na casa um do outro aos fins de semana, quando os pais permitiam. Donna ia a todos os eventos desportivos de Joe, só para o ver e dar-lhe apoio.
Em dezembro de 1967, Joe obteve a sua carta de condução e começou a levar Donna em encontros românticos no Chevy 1962 da sua mãe.
Três meses depois, Donna descobriu que estava grávida, notícia que marcou o início do fim do seu relacionamento de 2 anos.
Quando as suas famílias se sentaram para conversar, os pais de ambos assumiram o comando. O pai de Joe ofereceu-se para fazer o que o pai de Donna quisesse, incluindo fazer com que o seu filho se casasse com ela.
Mas o pai de Donna não queria que Joe voltasse a falar com a sua filha, e os adolescentes tiveram de prometer nunca mais falar nem telefonar um para o outro.
A família Horn já tinha planejado mudar-se no outono do último ano de escola de Donna, o que tornou mais fácil para ela esconder a gravidez. Como ela não voltou para Franklin Central, as pessoas presumiram que ela tinha simplesmente mudado de escola.
Donna disse que perder Joe foi “devastador” para ela, e ficou ainda mais inconsolável quando entrou em trabalho de parto no dia 5 de novembro de 1968, o dia do 17º aniversário de Joe.
Os seus pais pressionaram-na no sentido de entregar o bebé para adoção, pelo que Donna nem deveria ter tido a oportunidade de segurar ou sequer olhar para a filha depois de esta nascer.
Contudo, ela disse que “houve um engano” e acabou por embalar a filha durante 30 minutos antes de a levarem.
“Isso assombra-me desde então”, conta Donna.
Enquanto isso, Joe não fazia ideia do que tinha acontecido com Donna e com a sua filha e questionou-se sobre isso durante muitos anos.
Embora houvesse muitas jovens interessadas nele, ele não teve um único encontro no seu primeiro ano do ensino médio.
Após a formatura, Joe passou a jogar futebol americano no Indiana State e a dar aulas no ensino médio, como técnico de desporto. Eventualmente- tornou-se dono de uma empresa de óculos de sol. Pai de dois filhos, foi casado e divorciado duas vezes, sendo que em 2019 estava solteiro e a trabalhar numa loja Walmart.
Donna obteve o seu diploma do ensino médio e foi trabalhar para o centro financeiro Fort Benjamin Harrison. Sobrevivente de um cancro da mama e mãe de três filhos, também foi casada duas vezes, tendo o segundo marido falecido de cancro em 2011. Tal como Joe, também estava solteira em 2019.
Naquele mesmo ano, sem que eles soubessem, a sua filha biológica Laura recebeu um kit de testes genéticos e DNA 23andMe como presente por parte do marido.
Quando os resultados chegaram, Laura encontrou-se com o seu tio e tia – irmão e irmã de Donna. Ela enviou à sua tia biológica uma carta a pensar que ela poderia ser sua mãe biológica, juntamente com suas informações de contato.
Donna mandou um e-mail de volta e confirmou que ela sim era a sua mãe biológica, oferecendo-se para contar tudo o que Laura quisesse saber. Através de Donna, Laura soube o nome do pai biológico e percebeu que já o conhecia: o sobrinho de Joe tinha casado com a sua melhor amiga do colégio!
Laura lembra-se de ter falado com o pai biológico ao telefone pela primeira vez, e que as primeiras palavras que saíram da boca deste foram: “Nossa, se te pareceres com a tua mãe, aposto que és tão bonita”.
Ela ficou sensibilizada pelo amor que ouviu na sua voz e ajudou a reunir os seus pais biológicos novamente, após 5 décadas a manter a promessa que fizeram aos pais.
Laura disse que nunca planeou reuni-los – só queria saber se ela nasceu de uma relação de verdadeiro amor – mas foi exatamente o que aconteceu.
“Nós vimo-nos, nos abraçámo-nos e chorámos. Nós sabíamos. Simplesmente soubemos”, recorda Joe sobre o momento emocionante do reencontro que levou a que acabassem por casar no meio da pandemia do Coronavírus.
PARTILHE!

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações acerca da sua utilização do site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e análise. Aceitar Ler Mais